PRINCIPAL
<<< voltar  
 
PARÁ DE MINAS
 
 


 

I – HISTÓRICO

 

 

1.HISTÓRICO DO MUNICÍPIO:

 

Os primórdios da povoação que deu origem à atual cidade de Pará de Minas,

remontam do final do século XVII, época em que o fluxo das bandeiras paulistas

tornou-se constante nessas paragens, devido à grande quantidade de ouro

existente nas minas de Pitangui, área compreendida entre os Rios Pará, Paraopeba e São João.

 

Um pequeno povoado se estabeleceu, em um ponto de pouso dos viajantes e

suas comitivas, às margens do Ribeirão Paciência. Nele, fixou-se o mercador

português Manuel Batista, apelidado de “Pato-Fofo” em face de ser baixo e gordo,

e pela sua vaidade de aparentar grandes posses, apesar de ser pobre.

 

Manoel Batista se estabeleceu em uma fazenda que passou a explorar. A casa

onde residiu é considerada a primeira residência da cidade, e hoje, abriga o Museu

Histórico de Pará de Minas. Em decorrência do apelido que Manuel Batista adquiriu,

o lugar ficou conhecido com PATAFUFIO ou PATAFUFO, corruptelas de “Pato Fofo”.

 

O marco inicial de nossa história verifica-se através da elevação de Pitangui à

categoria de Vila de Nossa Senhora da Piedade de Pitangui em 06 de Fevereiro

de 1715, uma vez que o povoado de Patafufo pertencia a Pitangui.

 

Muito lento foi o desenvolvimento do sítio de Patafufo. Afirma o historiador Teófhilo

de Almeida que a mais antiga notícia oficial sobre o povoado, só aparece através da

 Provisão Episcopal de  03 de Julho 1772, que instituiu a primeira capela no lugar

do Patafufo da freguesia de Pitangui, com a invocação que escolheram os moradores.

 

Em 1800, um viajante refere brevemente ao arraial como um “pequeno núcleo de

povoação” que cuidava de plantações e tecidos  de algodão.

 

Mapas Paroquiais de 1826, indicam que a Vila e Freguesia de Nossa Senhora do

Pilar de Pitangui compreendia 08 (oito) capelas filiais, e dentre elas estava a de

Nossa Senhora da Piedade de Patafufo, com 314 fogos ou casas e 1646 almas ou habitantes.

Por volta de 1828, foram criadas as duas primeiras escolas públicas do curso

primário da região: uma  em Pitangui e outra no arraial do Patafufo, onde o Sr. João

Ezequiel Pereira ensinava as primeiras letras.

Por Decreto Imperial de 1832, o Curato de Patafufo passou a integrar a Paróquia

de Mateus Leme, e em 1836 foi incorporado à Paróquia de Pitangui pela Lei n.º 50,

de 08 de abril. A Paróquia, com a denominação de Nossa Senhora da Piedade do

Patafufo, foi criada exatamente 10 anos depois, em 08 de abril de 1846, pela Lei n.º 312.

 

 

 

Com a implantação do Império, por lei provincial n.º 386 de 09 de Outubro

de 1848, o então Presidente da Província de Minas Gerais, Sr. Bernardino

José de Queiroga, elevou o Arraial de Patafufo à categoria de Vila, com a d

enominação de Vila do Patafufo, que compreendia o seu território e os

de Santana do São João Acima, Mateus Leme, São Gonçalo e Santo Antônio do São João Acima.

 

Em 1850, pela Lei n.º 472, foi suprimida a condição de Vila do Patafufo, pelo

fato de não terem construído os edifícios da Câmara e da Cadeia, conforme

exigência da Lei 386, voltando o território a pertencer ao Município de Pitangui.

 

Satisfeitas as exigências legais, em 08 de junho de 1858, a Lei Provincial

n.º 882 veio restaurar a Vila, alterando também o nome do Arraial e Paróquia da

Vila, para o de Vila de Nossa Senhora da Piedade do Pará, instalada em 20 de

Setembro de 1859.

 

Em decorrência de acirradas disputas entre os chamados “Cascudos” (liberais) e

“Chimangos” (conservadores), a Lei Provincial n.º 1889 de 15 de Julho de

1872 suprimiu novamente o Município do Pará, incorporando seu território ao de  Pitangui.

 

Dois anos depois, em 23 de Dezembro de 1874, foi restabelecida novamente a

categoria de Vila do Pará através da Lei n.º 2.081, ficando definitivamente seu

território desligado do de Pitangui.

 

No ano seguinte, em 11 de Outubro de 1875, pela Lei n.º 2131, foi criada a Comarca

do Pará, em 05 de Novembro de 1877, através da Lei n.º 2416 a Comarca do

Pará foi elevada à categoria de cidade, sob a denominação de CIDADE DO PARÁ.

 

Por força da Lei n.º 806 de 22 de Setembro de 1921, o município passou a denominar-se

PARÁ DE MINAS.

 

A cidade deve seu nome ao maior rio do município, o PARÁ. O topônimo “PARÁ”,

significa rio volumoso, o colecionador de águas, e “DE MINAS”, apenas um aditivo a

distinguir o município mineiro do Estado do Pará.

 

 

 

 

II – ASPECTOS GEOGRÁFICOS

 

 

1.LOCALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO

 

Pará de Minas encontra-se localizada na porção central do Estado de Minas Gerais – Região I.

 

 

 

1.1 Coordenadas Geográficas

 

 

LATITUDE

LONGITUDE

ALTITUDE

19º53’ S

44º31’ W

970,00m

 

 

 

1.2 Extensão e área do Município

 

ÁREA

KM2

Urbana

60

Rural

522,00

TOTAL

582,00

 

 

 

1.3 – Distritos/Povoados

 

Pará de Minas é dividida em 5 Distritos:

 

 

DISTRITOS

DISTÂNCIAS / KM

Pará de Minas (Distrito Sede)

0,00

Córrego do Barro

21,00

Carioca

24,00

Ascenção

10,00

Torneiros

17,00

Tavares

10,00

                           Fonte: Div. Obras, Cadastro e Topografia – PM

POVOADOS

DISTÂNCIAS / KM

Trindade

15,0

Floresta

12,5

Muquém

24,0

Costas

  7,0

Matinha

  7,5

Mata dos Pimentas

11,0

Paivas

  8,0

Bom Sucesso

12,0

Sobrado (Via Matinha)

16,5

Caetano Preto

10,0

Palmital

  8,0

Meireles

10,0

Braz Correia

13,0

Penha

14,0

Limas

  6,5

Córrego das Pedras

10,5

Aparição

12,0

Guardas

14,0

Ponte de Tábua

14,0

Paraíso

16,0

                           Fonte: Div. Obras, Cadastro e Topografia – PM

 

 

 

 

2.PARTICIPAÇÃO DO MUNICÍPIO/CENSO 2000

 

 

Pará de Minas: 73.007 habitantes.

 

REGIÕES

POPULAÇÃO

% DE PARÁ DE MINAS

BRASIL

169.799.170

0,04

REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

72.412.494

0,10

MINAS GERAIS

17.891.488

0,41

REGIÃO CENTRO OESTE MINEIRA

892.667

8,18

FONTE: IBGE/2000

 

 

 

 

 

REGIÃO CENTRO-OESTE MINEIRA

 

 

 
 
N.º Ord

 

 

MUNICÍPIOS

POPU_

LAÇAO CENSO

1996

POPU_

LAÇÃO CENSO

2000

%

CRESCI-MENTO NO PERÍODO

 

ESTIMA_

TIVA

2002

%

CRESCIMENTO

NO ANO

 

ÁREA

 Km2

01

Divinópolis

171.565

183.708

7,2

190.800

1,8

709,73

02

Itaúna

70.919

76.783

8,3

79.064

2,1

495,75

03

Pará de Minas

68585

73.007

6,3

75.493

1,6

588,00

04

Formiga

59.629

62.907

5,4

64.122

1,4

1501

05

Bom Despacho

37.699

39.943

5,9

40.914

1,5

1.218,12

06

Lagoa da Prata

34.431

38.758

12,4

40.429

3,1

442,26

07

Nova Serrana

27.486

37.447

36,2

41.557

9,1

281,24

08

Oliveira

35.055

37.250

6,2

38.308

1,6

896,96

09

Arcos

29.637

32.687

10,3

33.796

2,6

509,79

10

Piuí

26.793

28.783

7,3

29.592

1,8

902,92

11

Pompéu

23.250

26.089

11,9

27.297

3,0

2.557,48

12

Mateus Leme

20.720

24.144

16,4

25.526

4,1

303,13

13

Stº.  Antônio do Monte

20.423

23.473

14,9

24.629

3,7

1.128,09

14

Pitangui

22.116

22.269

(0,5)

22.710

0,2

554,18

15

Bambuí

21.187

21.697

2,3

21.933

0,6

1.453,99

16

Carmo do Cajurú

15.961

17.157

7,5

17.734

1,9

454,77

17

Luz

16.973

16.833

(1,0)

16.917

-0,2

1.169,44

18

Dores do Indaiá

14.723

14.388

(23)

14.493

-0,6

1.116,15

19

Papagaios

12.817

12.472

(2,8)

12.967

-0,7

552,8

20

Martinhos Campos

11.382

11.817

3,0

11.809

1,0

1.050,03

21

Iguatama

8.774

8.269

(5,8)

8.249

-1,4

627,97

22

São Gonçalo do Pará

7.874

7.969

1,2

8.059

0,3

265,41

23

Pimenta

7.466

7.824

4,8

8.054

1,2

405,61

24

Pains

8.857

7.798

(12,1)

7.742

3,0

417,71

25

Morada Nova de Minas

6.765

7.606

12,2

7.805

3,1

2.081,58

26

Igaratinga

6.879

7.355

6,9

7.643

1,7

216,27

27

Moema

5.911

6.513

10,2

6.725

2,5

202,72

28

Maravilhas

6.066

6.232

2,6

6.406

0,7

258,77

29

Perdigão

4.865

5.707

17,3

5.951

4,3

251,94

30

Paineiras

5.089

4.895

(3,9)

4.823

-1,0

638,70

31

Pequi

3.485

3.717

6,5

3.829

1,7

201,01

32

Estrela do Indaiá

3.837

3.595

(6,8)

3.516

-1,6

637,19

33

São José da Varginha

2.960

3.225

8,8

3.338

2,4

201,46

34

Leandro Ferreira

3.069

3.227

4,5

3.290

1,3

352,68

35

Medeiros

2.807

3.038

(1,0)

3.103

2,1

947,09

36

Onça do Pitangui

2.748

2.985

8,6

2.977

2,2

243,13

37

Tapiraí

1.934

1.900

(2,4)

1.828

-0,4

409,76

Fonte: IBGE/2002

 

 

 

 

4.Acesso

 

 

Pará de Minas pode ser acessada por duas Rodovias Federais que convergem

diretamente para a cidade que são: a BR-352 (Abaeté/Martinho Campos/

Pitangui/Pará de Minas) totalmente pavimentada, e a BR 262 que liga

Belo Horizonte ao Triângulo Mineiro, também pavimentada. As Rodovias

Estaduais que convergem diretamente à cidade são: MG-431 (entrocamento

MG-060 (São José da Varginha)/Pará de Minas e Pará de Minas/Itaúna/Itatiaiuçu

(entroncamento BR-381) e LMG-818 (acesso no entroncamento da

BR-262/Florestal/Pará de Minas).

 

 

 

Distâncias de Pará de Minas em relação aos principais

centros nacionais e pólos regionais:

 

 

CENTROS NACIONAIS

KM

PÓLOS  REGIONAIS

KM

Belo Horizonte

  86

Divinópolis

63

Rio de Janeiro

515

Contagem

70

São Paulo

570

Bom Despacho

87

Brasília

810

Betim

52

Vitória

620

Itaúna

26

      Fonte: DER/MG

 

 

 

 

5. Municípios Limítrofes:

 

MUNICÍPIOS

SENTIDO

KM

Onça do Pitangui

Norte

25,00

São José da Varginha

Norte

18,00

Esmeralda

Leste

57,00

Florestal

Leste

29,00

Mateus Leme

Sul

32,00

Itaúna

Sul

25,00

Igaratinga

Sul

20,00

Conceição do Pará

Oeste

37,00

               Fonte: DER/MG

 

 

6.  CaracterÍsticas Climatológicas

 

 

O município de Pará de Minas está sob a influência de circulação dos sistemas

atmosféricos tropicais.

 

O clima é controlado pelas massas de ar continental (Equatorial e Tropical) e

Atlântica (Polar e Tropical). Os deslocamentos dessas massas de ar, são

responsáveis pela marcante alternância de estações úmidas e secas, e

respondem direta e indiretamente, pelas condições climáticas de nossa região.

 

O clima da região de Pará de Minas é caracterizado por duas estações

distintas: inverno seco e verão chuvoso. Nos meses compreendidos  entre outubro e

março, registram-se as maiores médias de

temperatura, com médias máximas superiores a 22º C. Verão quente que se

verifica até nas Serras Elevadas da Zona Tropical.

 

As temperaturas mais baixas, ocorrem mais precisamente nos meses que se

estendem de maio a setembro, época caracterizada por um período de franca estiagem,

com médias superiores a 10º C.

 

Segundo a classificação de Koppen, adotada universalmente e adaptada ao Brasil,

o clima de Pará de Minas tem a classificação “Cwa”, ou seja:

 

C – Mesotérmico ( meio quente e úmido );

w – Chuvas de verão;

a – Verões quentes e invernos brandos.

 

 

 

6.1  Temperatura

 

 

A energia solar que chega à superfície terrestre diariamente e que aquece a

atmosfera por irradiação, sofre variações consideráveis, devido a influência de fatores

como a latitude e a altitude, de tal forma que:

 

-quanto maior for a latitude de um lugar, maior será a  temperatura;

-quanto maior for a altitude, menor a temperatura.

 

 

 

 

 

 

 

 

Os quadros a seguir mostram as variações de temperaturas extremas:

 

 

 

ANO

TEMPERATURAS EXTREMAS ANUAIS

MÁXIMA

MÍNIMA

º C

MÊS

º C

MÊS

1998

33,7

FEVEREIRO

7,7

JULHO

1999

32,0

FEVEREIRO

8,0

AGOSTO

2000

32,0

OUTUBRO

8,0

JUN/JULHO

2001

33,6

FEVEREIRO

9,3

JULHO

2002

33,6

OUTUBRO

9,5

JUN/JULHO

Fonte: 5º Distrito de Meteorologia.

 

 

VARIAÇÃO

TEMPERATURAS EXTREMAS

º C

ANO

MÁXIMA  ABS.

38,0

1987

MÍNIMA  ABS.

1,0

1973

Fonte: 5º Distrito de Meteorologia18,7

 

 

6.2 Média Térmica do Ano de 2001:

 

MESES

MÁXIMA

MÍNIMA

MÉDIA MENSAL

2000

2001

2002

2000

2001

2002

2000

 

2001

 

2002

Janeiro

29,0

30,9

31,3

18,0

17,9

19,1

23,5

24,4

25,2

Fevereiro

31,0

33,6

29,6

19,0

18,0

18,7

25,0

25,8

27,7

Março

28,0

31,2

31,5

17,0

17,2

17,6

22,5

24,2

24,6

Abril

29,0

31,6

31,6

15,0

14,9

15,0

22,0

23,3

23,3

Maio

27,0

28,9

29,4

10,0

12,1

12,8

18,5

20,5

21,1

Junho

27,0

27,9

28,7

8,0

10,0

9,5

17,5

18,9

19,1

Julho

26,0

28,5

26,8

8,0

9,3

9,5

17,0

18,9

18,2

Agosto

29,0

27,7

29,2

10,0

9,9

10,6

19,5

18,8

19,9

Setembro

27,0

29,1

29,6

14,0

13,6

12,9

20,5

21,4

21,3

Outubro

32,0

29,3

33,6

16,0

15,1

15,8

24,0

22,2

24,7

Novembro

28,0

30,4

30,8

17,0

18,4

18,1

22,5

24,4

24,5

Dezembro

29,0

29,5

31,2

18,0

18,0

19,6

23,5

23,8

25,4

Média Anual

30,9

29,88

30,3

14,2

14,5

14,9

21,3

22,2

22,9

            Fonte: 5º Distrito de Meteorologia

 

6.3Índice de Precipitação Pluviométrica

 

Regime pluviométrico no município de Pará de Minas:

 

MESES

PRECIPITAÇÃO TOTAL MENSAL ( MM )

1998

1999

2000

2001

2002

Janeiro

353

304

380

164

264

Fevereiro

249

84

213

8

201

Março

36

348

347

122

31

Abril

53

4

13

28

22

Maio

75

1

4

40

11

Junho

0

5

0

0

0

Julho

0

5

0

0

4

Agosto

18

0

10

8

2

Setembro

20

15

59

24

75

Outubro

130

71

33

156

120

Novembro

251

249

407

150

224

Dezembro

187

243

338

360

245

Totais

1.372

1.329

1.804

1060

1199

Dias de Chuvas

74

62

87

62

63

Média por Dia

18,54

21,44

20,74

17,1

19,03

            Fonte: Fazenda Terra Preta / Pará de Minas

 

 

 

 

 

 

 

VARIAÇÃO

PRECIPITAÇÃO TOTAL (1)

M.M

ANO

MÁXIMA

1871

1992

MÍNIMA

1025

1990

            Fonte: Fazenda Terra Preta / Pará de Minas

            Nota: (1) Nos últimos 15 (quinze anos).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

6.4  Umidade Relativa do Ar

 

O ar atmosférico contém vapor d’agua, o qual é recebido das superfícies oceânicas,

da evaporação das  águas continentais ou ainda dos vegetais, sendo que a quantidade

de vapor varia de acordo com a temperatura do ar

 

Assim, a massa atmosférica sofre variação de umidade, podendo chegar inclusive

a um ponto de saturação a uma determinada temperatura.

 

Ponto de saturação é a quantidade máxima de vapor d’agua que o ar pode

conter em um dado instante, e em determinada temperatura.

 

Umidade relativa é a quantidade de vapor d’agua ( percentual) que o ar contém

naquele instante, com relação ao máximo que poderia conter ( Ponto de Saturação).

 

 

 

 

 

MESES

UMIDADE RELATIVA DO  AR (%)

2000

2001

2002

Janeiro

86

73

76

Fevereiro

89

71

78

Março

90

74

74

Abril

82

70

71

Maio

78

71

70

Junho

75

70

67

Julho

75

68

66

Agosto

68

68

62

Setembro

76

69

68

Outubro

78

72

-

Novembro

85

75

-

Dezembro

87

77

-

                                   Fonte: 5º Distrito de Meteorologia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

III - CARACTERIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

 

 

1.  Relevo, vegetação e solo

 

A geologia regional é marcada por um conjunto diversificado de rochas, apresentando

em seus domínios, algumas muito antigas, e depósitos recentes, de significativa

expressão espacial. Os litótipos predominantes são representados por gnaisses,

granitos-gnaisses, biotita-gnaisses e granodioritos associados.

 

Os terrenos mais recentes, apresentam distribuição bem regular, ocorrendo

preferencialmente na base das encostas e em marchas esparsas, ao longo

dos principais cursos d’água. No primeiro caso, verifica-se os depósitos

coluvionares, caracterizados por materiais que fluiram encosta abaixo e se

alojaram ao alcançar o melhor ângulo de repouso.

 

Os depósitos que se formam ao longo das drenagens são denominados de

aluviões, que formam as chamadas planícies fluviais, feição muito importante

do ponto de vista agrícola, especialmente para o pequeno produtor devido a

localização muito próxima a água e à qualidade dos solos que aí se desenvolvem,

apesar dos riscos eminentes de inundações.

 

A morfologia regional exibe um relevo nitidamente colinoso, entremeado de

planícies ora abertas ora mais estreitas, distribuídas de forma descontínua ao

longo dos principais cursos d’água.

 

As características naturais das classes de solos ocorrentes no município,

em sua maioria, apresentam-se bastante pobres especificamente do ponto

de vista químico, pois são solos desprovidos de reservas de nutrientes

propícios ao plantio, com baixos teores de bases permutáveis, aliados à baixa

saturação de bases.

 

As limitações que apresentam à utilização agrícola, estão ligadas ao aspecto de

fertilidade natural baixa, sendo em sua maioria solos ácidos com escassos teores

de cálcio, magnésio, potássio e fósforo, além de alta saturação de alumínio.

 

Os principais tipos de solos encontrados nesta região são: Cambissolos,

Latossolos e Podzólicos, em sua grande maioria marcados por significativa

concentração de alumínio, o que faz com que exibam caráter álico muito

significativo, dificultando sobremaneira sua utilização.

 

Os Latossolos apresentam excelentes propriedades físicas, fato que os torna

aptos para a agricultura, desde que se localizem em áreas de relevo adequado

à mecanização. Necessitam de adequada adubação e manejo.

 

 

 

As classes dos Podzólicos Vermelhos Amarelos Distróficos também

ocorrentes no município, é caracterizada por exibir solos profundos ou

moderadamente profundos, com perfis bem diferenciados e seqüências

de horizontes A, B e C, onde o B se destaca por sua estrutura e cerosidade.

 

Essa classe de solo carece de especial atenção, quando localizada em

declives mais acentuados, que, por suas características físicas têm

alta propensão ao desencadeamento de processos erosivos. Além disso,

normalmente necessitam de correção com fósforo.

 

Fitogeograficamente, a região de Pará de Minas é ocupada em especial pela

formação de cerrado. As árvores são de  porte reduzido, que raramente

ultrapassam 8 (oito) metros de altura, exibindo formas retorcidas, com troncos

revestidos de casca bem espessa, e de folhas predominantemente largas e cobertas de pêlos.

 

Por se tratar de uma área de transição de domínios fitogeográficos, apresenta em

alguns locais principalmente no domínio serrano, ocorrência de floresta estacional

semidecidual, que é caracterizada por exibir formas mais retilíneas e porte arbóreo.

Sua presença se dá de forma muito pontual, ao longo de todo o território municipal.

 

 

2. Caracterização Topográfica

 

Na região de Pará de Minas, o gradiente topográfico apresenta variação expressiva,

onde cotas superiores a 1.190m podem ser observadas na Serra da Piteira,

em contraste com quotas inferiores, com valores mínimos da ordem de 772m,

registrados na foz do Ribeirão Paciência.

 

A compartimentação topoaltimétrica, apresentada pelo Instituto de Geociências

Aplicadas – IGA, mostra os seguintes resultados percentuais quanto ao relevo local:

 

·Plano          : 20%

·Ondulado    : 60%

·Montanhoso: 20%

 

O município é marcado por uma topografia preferencialmente plano-ondulada,

onde o percentual de relevo montanhoso é pouco expressivo.

 

 

 3. HIDROGRAFIA

 

Perto  de sua sede destacamos o Rio Paraopeba e o São João, encontramos

também o Ribeirão dos Guardas, Ribeirão Bom Sucesso, Ribeirão Paciência,

sendo que este corta toda a cidade, numa extensão de 880m de canalização.

 

Ribeirão Paciência: Nasce próximo da divisa do município com Mateus Leme,

perto da localidade dos Pimentas a 3.500m a sudeste da igreja desta localidade,

numa altitude de 1.100m, seguindo de sudeste para noroeste, onde recebe todo

 o esgoto de Pará de Minas.

 

Afluentes à direita

 

·Córrego da Serra Grande: nasce na fazenda Serra Grande.

·Córrego do Cedro: vem da Mata do Cedro.

·Córrego do Sapé: nasce na Fazenda Sapé.

·Córrego da Água Limpa: vem da Francap.

·Córrego do Geraldo: corre do lado do Aeroporto de Pará de Minas.

·Córrego do Mimoso: vem do Bairro Padre Libério.

·Córrego do Engenho: após a entrada para o povoado dos Limas.

·Córrego dos Limas: passa pelo povoado dos Limas.

·Córrego da Aparição: vem da localidade de Aparição.

·Ribeirão da Jaguara: vem da Jaguara, passando pelo Córrego dos

Guardas e pelo Córrego do Capão.

·Córrego do Chiqueiro: vem da fazenda do Chiqueiro.

·Córrego Capim de Cheiro: vem da Capoeira Grande.

·Córrego da Paciência.

·Ribeirão dos Guardas: Córrego Colombo – Córrego da Ressaca.

 

Afluentes à esquerda:

 

Córrego da Lage: acima do Povoado de Matinha.

Córrego dos Gomes: vem do povoado de Gomes e passa ao lado do armazém da Casemg.

Córrego do Pião: passa pelo Bairro Patafufo ao lado Famotec.

Córrego da Rapadura: vem do Bairro Serra Verde/Jardim das Piteiras saindo ao lado da PCE.

Córrego do Primo: vem do Bairro Belvedere.

Córrego das Vassouras: corre pelo eixo da Avenida Professor Melo Cançado e Avenida Argentina.

Córrego do Arroz: fica ao lado da Fábrica do Sítio: sua nascente é na Fazenda do Arroz.

Córrego da Taguara: passa entre a cidade Ozanan e o Bairro São Pedro.

Córrego Cachoeira dos Macacos: encontra-se entre o Bairro

Grão-Pará e a estrada municipal para o povoado de Gorduras.

Córrego Ausência: nasce na Serra do Andaime.

Córrego das Pedras: nasce na Serra do Andaime.

Ribeirão dos Meireles: nasce acima do povoado de Meireles.

Córrego do Engenho Velho: nasce entre os povoados dos Penhas e Paraíso (Ex. Purgatório).

Córrego da Fazenda Velha: nasce na localidade de Jangadinha.

Córrego Fundo: nasce na localidade de Fazendinha.

 

Ribeirão das Areias: Localiza-se em Torneiros, deságua no Rio São João,

atravessa a BR 262 entre Torneiros e a Fazenda de João Dias.

 

Afluentes à direita:

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              

·Córrego João da Cacimba

·Córrego da Serra

·Córrego da Arrenpedida

·Córrego da Grota

·Córrego da Lajinha

·Córrego João Dias

·Córrego Canavial

·Córrego Barra Funda

·Córrego da Forca

·Córrego do Mamão

 

Afluentes à esquerda:

 

Córrego do Dionísio

Córrego Mescla

 

Ribeirão do Ouro: Nasce entre o povoado de Tavares e Cachoeira de

Almas. Localiza-se na divisa do Município de Pará de Minas com Florestal,

deságua na margem esquerda do Rio Paraopeba.

 

Ribeirão dos Guardas: Localiza-se entre Aparição de Cima e Guardas

aproximando da divisa com município de Onça do Pitangui.

 

Ribeirão dos Meireles: Constitui-se dos Córregos:

 

Margem direita:

 

·Córrego da Grana

·Córrego da Fruteira

·Córrego do Caracol

 

Margem esquerda:

 

·Córrego Brás Corrêa

·Córrego dos Pintos

·Córrego do Buracão

·Córrego do Meloso

 

Ribeirão do Sobrado: Sua nascente está acima da nascente do Ribeirão

Paciência, na contra-encosta próximo à divisa com Mateus Leme. Deságua

no Ribeirão Bom Sucesso, seguindo para o Ribeirão dos Meireles e depois

para o Ribeirão Paciência enfim chegando ao Rio São João. Nasce com o

nome de Córrego das Vassouras, a altitude é de 1.100m. Os afluentes do

Ribeirão Sobrado não possuem nome.

Ribeirão Bom Sucesso: Deságua no Ribeirão dos Meireles junto ao Córrego do Caracol.

 

Ribeirão Cova D’Anta: Nasce na Fazenda do Amendoim.

 

Afluentes à direita (jusante para montante)

 

·Córrego Fundo

·Ribeirão Olhos d’Água

·Córrego do Retiro

·Córrego da Aranha Barro

·Córrego Campinas

 

Afluentes à esquerda (jusante para montante)

 

·Córrego do Catravo

·Córrego da Lagoa Preta

·Córrego do Barro Preto

·Córrego da Batata

 

Ribeirão Olhos D’Água ou Córrego do Liberal: deságua no Ribeirão Cova d’Anta.

 

Afluentes à direita (jusante para montante)

 

·Córrego da Raiz

·Córrego São José

·Córrego da Cachoeira

·Córrego da Pedreira

·Córrego da Lagoa

·Córrego dos Tavares

 

Afluentes à esquerda (jusante para montante)

 

·Córrego Maniçoba.

 

Outros córregos, RIOS E REPRESAS:

 

Rio São João: Localiza-se entre o município de Pará de Minas e Conceição

do Pará, da ponde da BR 262 até o Ribeirão Paciência na Fazenda Barreiro.

 

Represa do Carioca: do lado de Pará de Minas recebe os Córregos da

Ponte Alta e do Baqueirão juntos com o nome de Córrego do Baqueirão.

Córrego da Água Limpa: Nasce na fazenda Água Limpa atrás do Parque de

Exposições (Bairro João Paulo II) recebe o esgoto da Francap, passando no bairro

Senador Valadares, atrás da Praça de Esportes do Bairro Dona Tunica.

Tem um afluente na margem esquerda o Córrego da Fazenda Velha.

 

Córrego da Fazenda Velha: Nasce no Bairro Recanto da Lagoa desce ao encontro

do Córrego da Água Limpa. Situa-se abaixo da Av. Getúlio Vargas entre

AABB e o DER 3ª RES. REG.

 

Córrego da Avenida Peru ou Córrego da Fazenda Pecuária: nasce na

Ravina entre o Bairro São Cristovão e o Bairro Castelo Branco à direita do

Cristo Redentor. Passa ao lado do matadouro da Unifrigo do Bairro São Cristovão.

 

Córrego do Geraldo: Nasce na fazenda pecuária nos terrenos dos herdeiros

de Elias José de Oliveira, entre o Bairro Santos Dumont e São Cristovão.

Desce ao lado do Campo de Aviação e a R. Silvino Olímpio, passando na

divisa entre os terrenos da Siderúrgica Alterosa e a Faculdade de Ciências

Humanas de Pará de Minas.

 

Córrego das Vassouras: Nasce na Serra da Piteiras descendo pela Av. Melo

Cançado. Na Av. Melo Cançado e Av. Argentina ele é canalizado, passando ao

lado da Pavep e segue até o Posto Ipiranga. Tem afluente à esquerda, abaixo da

Pavep e acima da Hundax, o Córrego do Pastinho, e nasce nos terrenos do Bairro São José.

 

Córrego do Bariri ou Córrego do Arroz: Nasce na Serra das Piteiras no

Bairro São José, desce ao lado da Rua Curitiba e deságua na Lagoa do Bariri.

 

Córrego do Silvestre: Nasce na Serra do Caracol, descendo entre o bairro

Nossa Senhora de Fátima e JK. Passa dentro dos terrenos da Cia. de Fiação e

Tecelagem da Pará de Minas.

 

Córrego da Taguara ou Córrego dos “Cai N’Água”: Nasce na Serra dos

Peixotos e desce dividindo os bairros: Novo Horizonte, São Pedro e cidade

Ozanan. Desce ao lado da Rua João José Guimarães depois da Rua Sete Lagoas.

 

Córrego dos Macacos: é o limite à jusante do perímetro urbano. Nasce na

Serra dos Peixotos, desce ao lado da estrada para Gorduras atravessando a

BR 352. Há um afluente na margem direita que nasce dentro do Bairro Grão-Pará,

Distrito Industrial, final da Via Local V e Via Local VII, o Córrego Grão-Pará.

 

Córrego dos Gomes: É o limite do perímetro urbano à montante do Ribeirão

Paciência na margem esquerda. Nasce junto ao povoado de Gomes, atrás do

Clube da Prefeitura, passando ao lado do abatedouro Cogran na BR 262 e no

armazém da Casemg.

 

Córrego do Peão: Nasce na Serra das Piteiras atravessando a BR 262, divide

os Bairros Patafufo e o Jardim Beatriz. Passa ao lado do Clube Patafufo Country

Clube e da antena da Rádio Santa Cruz, deságua acima do açude do Roncador.

Córrego da Rapadura: Nasce na Serra das Piteiras, no Bairro Jardim das Piteiras

seção II, atravessando a BR 262, descendo o Bairro Jardim das Piteiras seção I

e a Cerâmica Parapuan, saindo no Bairro Dom Bosco ao lado da PCE, próximo ao

Grupo Dom Bosco.

 

Córrego do Primo ou Córrego da Lagoinha: Nasce na localidade de Lagoinha

na cabeceira do Bairro Belvedere com a Vila Nossa Senhora Aparecida, atravessa a

Av. Professor Melo Cançado descendo até

o Posto do Cuíca entre a Vila Romualdo e Vila Lara.

 

Córrego do Garcia: Nasce nos terrenos do Sr. Valdinho às margens da Rodovia

MG 431 (São José da Varginha, passando pelo Bairro Padre Libério, descendo

pelo Bairro Santos Dumont do lado de baixo da Rua São José da Varginha).

 

Córrego do Mimoso: Nasce na cabeceira do Bairro Santos Dumont na fazenda

do Sr. Joel Mendes ao lado da BR 352, passando pela Fazenda do Sr. Anibal de

Melo e deságua no Córrego do Garcia, sendo afluente do Córrego do Garcia.

 

Córrego do Caracol: É formado pelos seguintes córregos – afluentes à margem

direita (jusante para montante). Há pequenos córregos sem denominação com

suas nascentes no pé da encosta Oeste da Serra das Piteiras. Alguns afluentes

à margem esquerda (jusante para montante).

 

·Córrego do Palmital

·Córrego da Lage ou dos Pereiras

·Córrego da Porteira de Tábua

Córrego do Paiol

Córrego do Catumba

Córrego do Bom Sucesso

 

Córrego da Várzea do Pari: Deságua no Rio São João na Várzea do Pari.

 

Córrego Boqueirão e Córrego Ponte Alta: O Córrego Ponte Alta fica entre a

Serra da Cacimba e a Serra do Jacá entre Torneiros e Carioca. Depois de

Carioca junta-se ao Córrego Boqueirão e deságua na represa do Carioca.

 

Córrego Barreira: Fica abaixo da Usina do Carioca e deságua no Rio São João.

 

Córrego da Fazenda Velha: É afluente da margem esquerda do Ribeirão

Paciência. Afluente margem direita Córrego do Purgatório, afluente margem

esquerda Córrego da Jangadinha.

 

Córrego da Lagoa Preta ou Córrego do Engenho: Deságua no Ribeirão

Cova D’Anta. Afluentes à direita (jusante para montante).

 

Córrego do Buracão

 

Afluentes à esquerda (jusante para montante)

Há três córregos que não têm nome.

 

 

III – ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

 

População residente, comparativa por anos

 

 

ANOS

URBANA

RURAL

TOTAL

1970

25.091

5.904

30.995

1980

38.041

6.316

44.357

1991

54.034

7.159

61.193

2000

67.993

5.014

73.007

2002 *

69.009

5.091

74.100

            Fonte: Fundação  Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

*estimativa (SEPLAN)

 

 

População por sexo em 2000

 

SEXO

POPULAÇÃO

Masculino

35.855

Feminino

37.155

TOTAL

73.007

         Fonte: Fundação  Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

 

 

DESCRIÇÃO DO REGISTRO

 

1999

 

2000

2001

2002

Registro de Nascimentos

1589

1509

1322

1114

Registro de Casamentos

413

417

412

338

Divórcios

45

40

42

26

Separações

53

56

55

43

Óbitos

409

445

452

476

 

 

 

DESCRIÇÃO

TAXA DE MORTALIDADE

INFANTIL (TMI)

GERAL (TMG)

2000

14,0/1000 NV

6,3/1000 hab.

2001

26,2/1000 NV

6,1/1000 hab.

2002

10,1/1000 NV

6,3/1000

                       

IV – INFRA-ESTRUTURA

 

1.REDE BANCÁRIA

 

Compõe-se de 06 estabelecimentos bancários, oficiais e privados:

 

BANCO DO BRASIL S.A, CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, BANCO REAL S.A,

BANCO ITAÚ, BANCO BRADESCO S.A e BANCO MERCANTIL DO BRASIL.

 

Há também 4 cooperativas de crédito: CREDIRURAL, PARACRED,  ASCICRED e

UNICRED.

 

 

2.MEIOS DE COMUNICAÇÃO

 

ØRede Emissora de Televisão.

 

Uma geradora de televisão que é a TV Integração e doze repetidoras que são:

 

·TV Assembléia

·Globo Minas – BH

·Canção Nova

·Canal Futura

·Bandeirantes

·Alterosa/SBT

·Record

·Rede TV

·TVI Minas

·Rede Vida

·TV União “Globo”/Araxá-MG

·MTV

 

ØRádios:

 

·Santa Cruz – AM

·Espacial      - FM

·Javé Iré       - AM

·Stilus      - FM

 

ØJornais:

 

·Gazeta Paraminense

·Jornal Folha Pará de Minas

·Jornal Diário

·Jornal do Pará

· 

ØRádio Comunicação

 

·100 Radioamadores Residenciais (aproximadamente)

·3000 Atendimentos

·500 Rádios operando na faixa cidadão (caminhões)

 

 

ØAgência dos Correios - EBCT

 

Agência da EBCT – Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos – 01

E um posto de atendimento.

 

 

V – INFRA-ESTRUTURA

 

1. CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA POR CLASSE E NÚMERO DE 

CONSUMIDORES -   concessionária: CEMIG

Consumo de Energia / 1997-2001

 

CLASSE

1997

1998

1999

2000

2001

Industrial
consumo (KWh)
no. consumidores


74.325.441
415


75.682.084
445


83.547.196
464

 

95.080.728

482

 

95457971

455

Comercial
consumo (KWh)
no. consumidores


22.154.023
2.332


26.445.310
2.438


29.901.037
2.609

 

29.983.573

2.735

 

22230959

2971

Residencial
consumo (KWh)
no. consumidores


33.347.012
17.989


35.798.284
18.698


36.382.971
19.610

 

36.663.565

20.346

 

31251966

21238

Rural
consumo (KWh)
no. consumidores


13.462.257
1.144


13.851.553
1.139


14.584.936
1.161

 

14.314.191

1.189

 

13453339

1235

Outros
consumo (KWh)
no. consumidores


10.115.359
213


10.086.346
216


10.998.645
221

 

12.517.625

232

 

11007505

197

Total
consumo (KWh)
no. consumidores

 

153.404.092

22.093

 

161.863.577

22.936

 

 

175.414.785

 24.065

 

188.559.682

24.984

 

173401740

26096

Fonte: Companhia Energética de Minas Gerais – CEMIG

 

 

 

2.PORCENTAGEM DE DOMICÍLIOS SERVIDOS PELO SISTEMA DE COLETA DE LIXO

 

Toda a área urbana 100% é atendida, com uma taxa de eficiência de atendimento de 70%.

3.SANEAMENTO BÁSICO

 

3.1 - Água

 
Pará de Minas é constituída de 21.000 economias servidas por rede de água
tratada, e integram 19.500 ligações, representa 98% da população atendida.

 

3.2 - Esgoto

 

O esgoto, é despejado no Ribeirão Paciência e ainda não é canalizado nem

tratado 89% da população é servida por rede de esgoto.

 

 

VI – ASPECTOS ECONÔMICOS

 

A economia de Pará de Minas apresentou no exercício de 2001 aspectos diversificados

nos setores econômicos , tomando-se por base a arrecadação do ICMS no Município.

 

Analisando o percentual pago pelos vinte maiores contribuintes, pode-se concluir que,

nesse exercício, o setor  que apresentou melhor desempenho foi o secundário

(indústrias) com 37,85%. As indústrias de refrigerantes, química, confecção

e outras, representaram 9,16% da arrecadação, a siderurgia 8,69%,

mineração 8,06%, as indústrias têxteis 6,11%, fundições 4,00% e cerâmicas 1,83%.

 

Nesse mesmo período, o segundo melhor desempenho foi o do setor primário

(agropecuária) com o percentual de arrecadação de 22,56% seguido do terciário

(comércio e serviços) com 8,28%.

 

No âmbito geral, considerando-se o total de ICMS arrecadado no Município,

constata-se que o setor secundário manteve a maior representatividade na

economia local no exercício de 2001 com 32,97%. Já o setor terciário foi

o segundo responsável pelas contribuições totais, com 29,48%, fato que

se justifica pela existência de um grande  número de micro-empresas

comerciais atuantes no mercado, seguido pelo setor primário, com 24,07%.

 

No exercício anterior, o setor pioneiro em arrecadação foi o setor primário,

que apresentou uma média de contribuição anual da ordem de 46,32%. O que

justifica essa queda da arrecadação é a crise por que passa o setor. Constata-se

considerável aumento da produção de aves para abate e suínos, e a

conseqüente queda dos preços, o que forçou nos dias atuais, a redução da

produção, que também é agravada pela defasagem  da oferta de grãos,

especificamente do milho, produto básico da alimentação dessas criações,

que devido a medidas governamentais que visaram o equilíbrio da Balança

Comercial Brasileira, priorizaram as exportações desses grâos, fazendo

com que o mercado interno ficasse desprovido desse produto, o que gerou

acentuado aumento no preço do milho, encarecendo sobremaneira a produção,

e gerando fortes crises econômicas no setor.

 

As arrecadações oriundas do setor de transportes, importação, notificações e

diferenças de alíquotas, foram da ordem de 13,47%.

 

O valor total do ICMS arrecadado no Município de Pará de Minas no

exercício de 2001, foi R$ 15.073.058,00 (quinze milhões, setenta e três mil

e cinqüenta e oito reais). 

 

 

 

 

1-Setor Primário

 

O setor primário em Pará de Minas exerce grande influência na economia local, e é

ressaltado pela grande produção de aves e suinos, e pela produção de leite e seus

derivados. A arrecadação do ICMS no ano 2001 foi da ordem de R$ 3.629.592,00

(três milhões, seiscentos e vinte e nove mil, quinhentos e noventa e dois reais)

ou 24,08% da arrecadação total.

 

Destacamos como maiores contribuintes do setor, as duas grandes cooperativas

beneficiadoras do leite que são a ITAMBÉ – Cooperativa Central dos Produtores

Rurais de Minas Gerais Ltda. e a COOPARÁ – Cooperativa Mista Regional 

Agro-Industrial dos Produtores Rurais de Pará de Minas Ltda., e também os

Laticínios que beneficiam o leite e seus derivados como: Laticínio Champ Ltda.;

Laticínio Sibele Ltda.; Laticínio Cap Gross Ltda.; Laticínio Pará de Minas Ltda. dentre outros.

 

No setor agropecuário, o rebanho de Pará de Minas é estimado conforme informações da EMATER:

 

Bovinocultura de  leite

 

-Vacas lactação :                                 12.550 cabeças

-Produtividade :                                        1.900 l / lactação / ano

-Produção:                                             23.845 l / ano

-Vacas secas                                           5.930 cabeças

-Reprodutores                                           1.232 cabeças

-Bezerros mamando                                10.395 cabeças

-Animais de recria                                 11.000 cabeças

-Leite produzido no ano             23.845 mil litros

-Produção carne animais/descarte              585 toneladas

-Plantel de leite                                    41.107 cabeças

 

  

 

 

 

Bovinocultura de corte

 

-Matrizes          2.200 cabeças

-Bezerros mamando      1.650 cabeças

-animais de recria e engorda    8.000 cabeças

-Carne produzida/ano       610 toneladas

-Plantel de carne     11.850  cabeças

 

Plantel de Bovinos no município:             52.957 cabeças                               

Suinocultura

 

Matrizes   12.000 cabeças

Produção:  265.000 cevados/ano,

Produção de carne prevista:     23.900 ton. / ano.

 

 

Avicultura de corte

 

-Frangos:            8.250.000 cabeças

-Produção:         99.825 ton./ano

-Cama de frango  61.500 ton./ano – gera receita para o município de R$ 4.305.000,00 ao ano.

 

 

No setor pecuário, a avicultura, a suinocultura e a pecuária de leite são atividades fundamentais

para a economia paraminense. A avicultura é a mais importante  atividade do setor

primário em Pará de Minas. Sua estrutura produtiva é baseada em unidades independentes

que se dedicam à criação de frango, necessitando comprar os pintos e outros insumos, de

fornecedores de fora da região, e vender os frangos ainda vivos para abatedouros.

 

Essa estrutura não só permitiu a disseminação da atividade por número expressivo de granjas

pequenas e médias. A região polarizada de Pará de Minas chegou a ser a maior

produtora de frangos do país e experimentou

bom desenvolvimento tecnológico, como atesta a redução do período de criação

do frango até chegar ao ponto de abate.

A suinocultura local vem se afirmando como uma atividade importante para a economia

paraminense desde o início da década de 80, mas sua expansão tem-se  acentuado

especialmente a partir de 1988. Naquele ano, foi organizada pelos produtores,

uma central de compras que veio dar origem à Cooperativa de Suinocultores de Pará de Minas

– COSUIPAM. Hoje a Cooperativa presta serviços de assistência veterinária, comercialização

de matéria-prima para ração e venda de suínos para frigoríficos. A COSUIPAM

tem hoje 33 associados do município.

 

 

 

 

 

A atividade pecuária destina-se primordialmente à produção de leite, sendo o abate apenas uma

função decorrente da leiteira. Para tanto, são desenvolvidos programas de incentivo à qualidade e

produtividade, implantados pelos beneficiadores do leite. Tais programas prevêem que o

preço efetivamente pago ao produtor, possa variar em até 40%, dependendo dos pontos

obtidos pelo produtor, segundo critérios pré-determinados.

 

 

 

 

2.  Agricultura

 

 

A agricultura paraminense é praticada para auto-abastecimento pois, nem a topografia nem a

qualidade dos solos são adequadas à produção em larga escala. A exceção a essa regra é a

cultura de algumas hortaliças como:

 

 

Produto

Ha

Produção / ton.

Tomate

70

4550

Pimentão

25

90

Milho

800

2400

Café

206

185,4

Feijão

200

160

Abobrinha

3

60

Fonte: EMATER/MG/2001

 

 

Observa-se que o tomate tem se tornado um dos mais importantes produtos agrícolas

destinado à comercialização (4.550 ton.), seguido do milho (2.400 ton.) e do café (185,4 ton.).

 

A tecnologia empregada no cultivo das hortaliças pode ser enquadrada entre razoável e

boa, para os padrões existentes no país, considerando que a topografia não é favorável

à mecanização das lavouras.

 

 

 

 

 

 estrutura fundiária é assim constituída:

 

TAMANHO DA PROPRIEDADE

QUANTIDADE

ÁREA/HA

Até 1 ha

15

7

De 1 a 2 ha

48

54

De 3 a 5 ha

113

458

De 6 a 10 ha

123

794

De 11 a 20 ha 

141

2020

De 21 a 50 ha

161

6427

De 51 a 100 ha

97

6552

De 101 a 200 ha

69

9503

De 201 a 500 ha

26

7689

De 501 a 1000 ha

4

2792

Acima de 1001 ha

1

1711

TOTAL

798

38007

 

PRODUÇÃO AGRÍCOLA – 1999

 

Produto

Área colhida (ha)

Produção (t)

Rendimento médio (Kg/ha)

Alho

1

3

3000

Amendoim (em casca)

1

1

1000

Arroz  casca várzea úmida

120

180

1500

Banana (2)

38

61

1605,26

Cana-de-açúcar

260

14040

54000

Café

240

288

1200

Feijão (1a.safra)

185

139

751,35

Feijão (2a.safra)

180

108

600

Laranja (1)

57

1425

25000

Mandioca

148

2220

15000

Milho

1220

4270

3500

Tomate (de mesa)

92

5152

56000

Fonte:Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)


(1)Produção em mil frutos e rendimento em frutos/ha
(2)Produção em mil cachos e rendimento em cachos/ha

 

 

2.Setor Secundário

 

Desde o início da década passada, a evolução do setor industrial de Pará de Minas

tem sido complexa, não apresentando um dinamismo uniforme entre os diferentes ramos.

As indústrias de grande porte, de dois ramos tradicionais no município, o da indústria 

têxtil e o da siderurgia, sofreram fortes impactos com o processo de globalização da economia brasileira,

e hoje têm apresentado

significativos investimentos.

O setor secundário tem presença marcante na economia local, representou no ano

de 2001, 47,33% (R$ 8.169.323,00) do total do ICMS arrecadado, setor que apresentou

melhor desempenho.

 

A Siderúrgica Alterosa  construiu no ano de 2000 a Usina II, que foi ativada em junho de 2001.

Essa unidade gerou cerca de 100 empregos diretos. Atualmente, o investimento que vem

sendo feito é na área de reflorestamento para a produção do carvão vegetal, necessário à

produção do ferro gusa. Também estão sendo investidos cerca de R$ 1.200.000,00

(hum milhão e duzentos mil reais) em equipamentos de despoeiramento.

 

A CISAM Siderurgia Ltda. tem investido pesadamente na melhoria do meio ambiente

(cinturão verde, despoluição do ar no seu em torno, reflorestamento, etc.)  e na redução

do custo de produção, diminuindo o uso do carvão vegetal, passando à injeção de finos de carvão.

 

Os investimentos previstos para os próximos 2 ou 3 anos, serão da ordem de US 1.800.000,00

(um milhão e oitocentos mil dólares).

 

Será implantada em 2003 uma  ACIARIA onde o ferro gusa será  beneficiado e transformado em aço.

Os investimentos serão da ordem de 12 a 15 milhões de dólares. Essa nova indústria gerará cerca de

200 empregos diretos, além  de contribuir consideravelmente para o aumento da receita municipal.

 

Também será construída em 2003  uma Usina Térmica para a produção de energia elétrica.

Os investimentos serão da ordem de um milhão de dólares e previsão de criação de 20 empregos diretos.

 

Quanto ao ramo têxtil, a Coopertêxtil adquiriu no ano de  2001 máquinas de última

geração -24 teares Sulzer e 2 open-end - para ampliação da capacidade de produção e

modernização. Esse investimento foi da ordem de

US$ 560.000,00 (quinhentos e sessenta mil dólares), e fará crescer o faturamento anual em 18%.

Com esta ampliação, 

criou-se cerca de 40 empregos diretos, aumentando o quadro de funcionários de 410 para 440 funcionários.

Hoje a Coopertêxtil

possui 410 sócios cooperados.

A Horizonte Têxtil e a Santanense, também têm efetuado grandes investimentos anualmente.

 

Relacionamos abaixo os 20 maiores contribuintes de ICMS no mês 12/2002 do município de Pará de Minas:

 

 

EMPRESA

% DE CONTRIB.

01- Siderúrgica Alterosa Ltda.

19,26

02- Siderúrgica Alterosa Ltda.

17,53

03- Cisam Siderurgia Ltda.

8,06

04- Lamil Lage Minérios Ltda.

7,7

05- Refrigerantes Minas Gerais

3,83

06- COOPERTÊXTILCooperativa de Produção Têxtil

2,77

07- Fundição Batista Ind. e Comércio e Transporte

2,75

08- MileniumLogística Ltda.

1,91

09- Sumidenso do Brasil Indústria Elétrica

1,42

10- Indústria Sarrafo Ltda.

1,33

11- FAMOTEC – Fábrica Moderna de Tecidos

1,23

12- COMAP – Comércio Mat. de Construção Paraense

1,14

13- Supermercado Peixoto & Filhos

1,11

14- Maxxi Química Ltda.

1,09

15- Vinícius e Cláudia Indústria e Comércio

1,02

16- Cerâmica Parapuam Ltda.

0,98

17- Cia. De Tecidos Santanense

0,95

18- Farmácia Cruzeiro Ltda.

0,80

19- Cia. Fiação e Tecelagem Pará de Minas

0,79

20- ITAMBÉ-Coop. Dos Prod. Rurais de Minas Gerais

0,71

TOTAL

76,38

Fonte: AF de Pará de Minas/Dezembro de 2002

 

 

A Prefeitura Municipal de Pará de Minas vem realizando investimentos na área de

infra-estrutura para a alocação de indústrias de todos os segmentos no município.

Atualmente Pará de Minas conta com dois distritos industriais: um no

Bairro São Pedro com área total de 247.379,29m² subdivididos em 70 áreas,

onde encontram-se instaladas e em funcionamento  cerca de 35 empresas.

 

Em fase final de conclusão, contamos  com um distrito industrial localizado às margens

da BR-262, entre a ITAMBÉ e a SUMIDENSO. A área total é de 62.657,33 m² subdividida em

12 lotes. Há previsão de implantação de nove  indústrias nesse local, cinco, já em construção.

 

E em fase de estudos, um  terceiro distrito, numa área localizada  às margens da BR-352.

 

 

 

 

3.Setor Terciário

 

O Setor Terciário é constituído de dois sub-setores que são: comércio e serviços.

De acordo com o cadastro de associados da ASCIPAM há aproximadamente 633 empresas

cadastradas na área de comércio, 250 na área da indústria e aproximadamente 97 empresas

cadastradas na área de serviços,

que perfazem um total de 980 empresas no Setor Terciário.

 

Há que se ressaltar, que esse total representa somente as empresas cadastradas na ASCIPAM.

Há ainda aquelas que não estão cadastradas  e também as que sobrevivem

na informalidade.

 

1.De acordo com o cadastro do ISS desta Prefeitura, há 8.000 empresas cadastradas  assim

distribuidas: autônomos: 2.700 contribuintes, prestadores de serviços: 2000 contribuintes e

pessoas jurídicas 3.300 (levantamento efetuado em agosto de 2002).

 

Diante da insuficiência de informações, não podemos expressar a realidade desse setor,

levando-se em consideração os que permanecem na informalidade..

 

De acordo com a Agência Fazendária, a arrecadação de ICMS representou 29,14% do total

arrecadado no ano de 2002, ou seja, o equivalente a R$ 5.029.666,00 (cinco milhões, vinte e nove mil,

seiscentos e sessenta e seis reais).

 

 

 

 

RESUMO DA ARRECADAÇÃO DE ICMS EM 2002

POR SETOR DE ATIVIDADE ECONÔMICA

 

SETORES

VALOR ARRECADADO

%

Primário

R$ 1.965.954,00

11,39

Secundário

R$ 8.169.323,00

47,33

Terciário

R$ 5.029.666,00

29,14

Outras receitas e ajustes

R$ 2.095.406,00

12,14

TOTAL

R$ 17.260.349,00

100,00

Fonte: Agênca Fazendária/SEPLAN

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VII – EDUCAÇÃO e CULTURA

 

 

1.QUADRO GERAL DA EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO

 

 

MODALIDADE DE ENSINO

REDE

MUNICIPAL

ESTADUAL

PARTICULAR

SUPERIOR

TOTAL

N.º DE ESCOLAS

31

20

12

01

Alunos

Educação Infantil

(0 a 3 anos)

504

0

 

131

0

 

635

Pré-Escola (4 a 6 anos)

2.285

680

329

0

3.294

Ensino Especial(APAE)

0

0

611

0

611

Ensino Fundamental

3.844

10.615

777

0

15.236

Ensino Médio

0

3.921

288

0

4.209

Ensino Técnico

0

0

165

0

165

Ensino Supletivo

0

364

0

0

364

Ensino Superior

0

0

0

1.000

1.000

Rede Particular

0

0

1.962

0

0

TOTAL

6.633

15.580

 

2.301

1.000

25.514

Fonte: Secretaria Municipal de Educação – Agosto/2002

nd: não disponível.

 

 

2.  FACULDADE DE PARÁ DE MINAS – FAPAM

 

Atualmente, a FAPAM oferece os seguintes cursos:

Curso: Administração
Duração: 5 anos
Vagas anuais: 80
Habilitação: Administração de Empresas
Curso Autorizado pela Portaria 1283 de 23 de novembro de 1998.

Curso: Ciências
Duração: 4 anos e meio
Vagas anuais: 50
Habilitação: Matemática
Curso Reconhecido pela Portaria 850 de 09 de julho de 1992.

 

 


Curso: Ciências Biológicas
Duração: 4 anos
Vagas anuais: 50
Habilitação: Licenciatura
Curso Autorizado pela Portaria 1322 de 23 de agosto de 2000.

 

Curso: Geografia/História
Duração: 4 anos
Vagas anuais: 50
Habilitação: Geografia e/ou História
Curso Reconhecido pela Portaria 850 de 09 de julho de 1992.

Curso: Letras
Duração: 4 anos
Vagas anuais: 50
Habilitação: Português/Inglês
Curso Reconhecido pela Portaria 850 de 09 de julho de 1992.

Já se encontra no Ministério da Educação, pedido para Curso Normal Superior -

Licenciatura Plena.

 

 

2.1– ESCOLAS PROFISSIONALIZANTES:

 

 

COLÉGIO TÉCNICO SÃO FRANCISCO DE ASSIS

Cursos:  Técnico em Eletrônica

              Técnico em  Informática

                  Técnico em Enfermagem

 

ESCOLA PROFISSIONALIZANTE DR.CELSO CHARURI

 Cursos: Manutenção Elétrica

              Mecânica Elétrica

 

3. ESCOLAS DE IDIOMAS

 

 

Escola

Idiomas

C.C.A.A.

Inglês e Espanhol

Number One

Inglês e Espanhol

Target Idiomas

Inglês e Espanhol

 

 

 

 

4.CRECHES

 

 

CRECHES

2000

2001

2002

Creche Municipal Conceição Acácia de Araújo

95

100

85

Creche Municipal Vera Coutinho

151

140

142

reche Municipal Avany Vilhena Diniz

130

130

130

Creche Municipal José Queiróz

122

120

120

Creche Municipal Odete Valadares Ribeiro

118

132

89

Creche Lar Santa Terezinha

183

190

130

Creche Municipal Maria Vicentina de Jesus

131

135

132

Creche Municipal Nair Guimarães Ferreira

232

220

292

TOTAL

1.162

1.168

1.120

      Fonte: Secretaria Municipal de Educação -

 

 

5.  ASILO

 

Asilo Cidade Ozanan

 

 

6. INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE EXCEPCIONAIS

 

INSTITUTO

2000

2001

2002

APAE

486

517

611

 

 

2 . CULTURA

 

2.1Entidades culturais:

 

Secretaria Municipal da Cultura;

Museu Histórico, Documental, Fotográfico e do Som de Pará de Minas;

Escola Municipal de Artes e Ofícios “Raimundo Nogueira de Faria – SICA”

Escola Municipal de Música “Geraldinho do Cavaquinho”

Biblioteca Pública Municipal “Professor Melo Cançado”

Núcleo Artístico “Arte Nossa” (Coral, Escola de Música e Artes Integradas)

MBARI – Movimento de Consciência Negra de Pará de Minas

 

 

 

2.2 Academias de dança:

 

·Escola de Balé Maria Inês Missaka

·Escola de Dança “Dançarte

·Estúdio Newton Araújo

 

 

2.3 Artesanato:

 

Associação dos Artesãos de Pará de Minas.

 

 

2.4 Corais:

 

·Coral Nossa Senhora da Piedade

·Corais Arte Nossa – Infanto Juvenil e Adulto

·Pequenos Cantores Viva Voz

 

 

2.5 Corporação Musical:

 

Banda de Música Lira Santa Cecília

 

 

2.6 Grupos  Folclóricos:

 

·Guarda de Congo Nossa Senhora do Rosário

·Guarda de Congo Nossa Senhora do Rosário de Santo Antônio do Paiol

 

 

2.7 Literatura:

 

·Associação de Escritores de Pará de Minas

·Academia de Letras de Pará de Minas

 

 

2.8 Espaços Culturais:

 

·Auditório da Escola Estadual  “Fernando Otávio”

·Auditório do Colégio Sagrado Coração de Maria

·Auditório do Sindicato Rural

·Auditório da APAE

·Salão Nobre do Hospital Nossa Senhora da Conceição

·Salão Nobre da Câmara Municipal

·Centro Literário “Pedro Nestor”

·Gírus Disco Show

·Montana West Rock

·Espaço Cultural “SICA” (Galeria da Caixa Econômica Federal)

·Galeria de Artes do Banco do Brasil

·Galeria de Artes da Cooperativa Credirural

·Galeria de Artes “Irmã Jovita” (espaço do Colégio Sagrado Coração de Maria)

·Galeria “Erna Lenir de Alcântara Cunha” (espaço da Escola Municipal de Artes)

·Espaço Cultural “Dr. Edward Moreira Xavier” (Patafufo Country Club)

·Espaço Cultural “Talentos da Terra” (Agência de Correios)

·Espaço Cultural do Cine Café Estação do Pará

 

 

2.9 Áreas Livres:

 

·Parque de Exposições “Francisco Olivé Diniz”

·Parque do Bariri

·Pista de Atletismo “Professor Daniel de Oliveira Barbosa”

·Coreto da Praça Torquato de Almeida

·Coreto da Praça Frei Paciano Van Schaijak O. S. M.

 

 

2.10 Cinema:

 

·Cine Café Estação do Pará

 

 

VIII – ESPORTE E LAZER

 

·Poliesportivo da Praça de Esportes

·Poliesportivo do Colégio Sagrado Coração de Maria

·Poliesportivo do Bairro de Fátima

·Poliesportivo do Bairro São Cristóvão

·Pista de Atletismo “Professor Daniel de Oliveira Barbosa”

·Estádio “Ovídio de Abreu”

·Cabana Camping Club

·AABB – Associação Atlética Banco do Brasil

·ARPPA – Associação Recreativa dos Professores Paraenses

·Clube Atlético Paraminense

·Clube Praça de Esportes do Pará

·Tenarte

·Centro de Atendimento do Trabalhador / CAT – SESI

·Patafufo Country Club

·Clube dos Servidores Municipais

 

 

 

Associações Esportivas:

 

·Liga Desportiva de Pará de Minas

·Liga Desportiva de Esportes Especializados

·Paraense Esporte Clube

·Rio Branco Futebol Clube

·Rodoviário Atlético Clube

·Guarani Esporte Clube

·São Francisco Futebol Clube

 

 

QUADRAS COBERTAS:

 

Praça de Esportes                                         Particular

Bairro Nossa Senhora de Fátima                    Municipal

Bairro Santos Dumont                                               Municipal

Quadra Rua Nova Serrana                              Particular

Patronato                                                                 Particular

Colégio Sagrado Coração de Maria                 Particular

Bairro São Cristóvão                                      Municipal

Bairro Serra Verde                                         Municipal

Bairro Padre Libério                                       Municipal

 

 

QUADRAS ABERTAS:

 

AABB                                                                      Particular

Rio Branco                                                    Particular